Século 21

Já falei aqui sobre minhas preocupações atuais em artes visuais.
Um pequeno comentário sobre o mesmo assunto.

Talvez a partir de meus interesses iniciais e minha própria formação na Unicamp, acredito que a arte sempre surgiu da vivência e relação entre homens e objetos. Era assim, antes de tudo, quando houve da minha parte interesse em artes.

Embora uma graduação ou cursos na área nos dêem bases "conceituais" para a elaboração do trabalho, é imprescindível que se retorne sempre ao fazer, ao primitivo da ação e seu estágio fenomenológico.

Dessa forma, cada vez mais acredito que o "projetar" se reserva principalmente à artistas, curadores e críticos presos ainda à metodologias científicas, ensinadas como já dito em universidades e cursos. Caso recorrente na cidade de São Paulo.

Acredito assim, que essas mesmas bases de formação, necessárias em determinados momentos, devem ser afloradas em contextos e situações específicas que nos colocamos a viver. Assim como todas memórias acessadas, que se resignificam e se reformulam no cotidiano.