Algo do que fiz...

A convite da grande amiga: Leka Peres.

Algo do que estou fazendo...

No mês de julho participei de um evento em Santander, norte da Espanha. 
Um workshop com a artista libanesa Mona Hatoum. O workshop na verdade foi um misto de residência, exposição e workshop com 15 artistas do mundo.

Lá pude desdobrar o trabalho das reorganizações urbanas no espaço expositivo.

Primeiro por um trabalho coletivo feito com Oriane Zugmeyer e Sara Thomson, que consistia em "reorganizar" materiais que tinhamos coletado no espaço expositivo, e também pelo próprio trabalho que realizei por conta da exposição de finalização do evento. 

Resumidamente o trabalho coletivo consistia em, a cada 5 minutos aproximadamente, cada participante reorganizar os materiais escolhidos anteriormente. 


                                                                                                                    alguns registros das ações realizadas

 No trabalho que realizei sozinho, procurei compor também com elementos já existentes na arquitetura do local. (segunda foto)



Dessa forma acredito que esses trabalhos, assim como a última pintura postada, dialogam com duas vertentes da arte. Minimalismo e Pop Art.

Minimalismo porque, entre outras características do que se ficou conhecido por tal, o trabalho leva em conta o espaço em que é realizado e também revela essa estrutura em que se insere e está inserida. 
E Pop porque os objetos possuem em suas características cargas de memória situadas no cotidiano e no conhecimento popular ou comum, possuindo em sua aparência até mesmo registros de uso/manufatura.

Ou seja, dialogam com a questão local mas trazem também um significado externo aquele momento que é reconhecível na vida. (algo semelhante ao readymade)

Pretendo agora desenvolver esse pensamento de forma prática em duas oportunidades próximas: Red Bull House of Art, e SAC 42 em Piracicaba. 


Pílula

Nesse tempo fragmento, é preciso ser claro e direto.
Não ilustrativo.

(Evitar os contornos fáceis...o bem acabado raso e fácil de ser digerido.
Ampliar o entendimento alheio pela sinceridade própria, e direta.)

Novas Pinturas

As pinturas que tenho feito são construções de espaços.
Construções que ocorrem sem planejamento prévio e se dão por justaposição de cores, matérias, encontros.
Agora, com o uso do branco, penso estar evidenciando essa construção.Esse movimento.


Necessidade

Não quero ter necessidades que não sejam as minhas.
Não por egoísmo, mas pelo saber individual que possibilita a troca.
Saber de si o suficiente para conseguir trocar sem a necessidade de se afirmar a todo instante
Conhecer meu espaço, o do outro e contruir um novo: a relação.

Pequenas coisas

No final de semana reencontrei a natureza. Coisa que em minha vida não tive muito contato diretamente.
E sim pelas relações que busquei ter e que tive.
Pelo modo simples que as pessoas podem se relacionar.
Vi isso em Ubatuba.

A falta da presença humana (que em sua existência simples modifica),
mostra o primitivo, o fazer fogo, alimento, fala, som.